Cosmos – Episódio 02 – Coisas que as Moléculas Fazem

24 de agosto de 2017

Em 2014 a Netflix lançou uma nova série de documentários chamada Cosmos: Uma Odisséia do Espaço-Tempo. A série possui imagens maravilhosas e um mundo de informações se se conectam.

Essa série é apresentada pelo astrofísico Neil deGrasse Tyson e possui 13 episódios, podendo ser considerada uma segunda parte da série de documentários Cosmos apresentada por Caril Sagan em 1980.

Toda a série é maravilhosa, mas especificamente o segundo episódio trata sobre evolução e codificação, o que se liga ao tema tratado nesse blog. Apesar de não tratar profundamente sobre o tema genoma, o episódio é no mínimo interessante, principalmente para pessoas que não tem tanto conhecimento sobre o assunto.

 

Um resumo desse episódio pode ser visto aqui:

O episódio se inicia abordando as origens da domesticação dos cães, que talvez tenha sido o primeiro caso de seleção artificial, que transformou os lobos nos cães domésticos, fazendo um paralelo então com o caso da seleção natural no caso dos ursos polares e ursos pardos. Tyson aparece então no antigo carvalho no qual Carl Sagan se sentou no segundo episódio da primeira versão da série, em One Voice in the Cosmic Fugue. Ao redor dele, trata da evolução dos olhos. Tyson introduz o telespectador ao “Hall da Extinção” (Halls of Extinction), um local fictício que reaparecerá outras vezes ao longo da série e que reúne as cinco grandes extinções em massa pelas quais o planeta Terra atravessou, cada uma disposta num corredor distinto, bem como um sexto corredor ainda sem nome, retomado apenas no nono episódio da série. Aparecem, por exemplo, a extinção do Permiano-Triássico, que aniquilou os trilobitas e dimetrodontes; e aExtinção do Cretáceo-Paleogeno, que fez o mesmo em relação aos dinossauros. Fala então dos tardígrados, que teriam resistido a essas e às outras três extinções em massa. Fala da atmosfera de Titã e suas chuvas e metano e etano. Mais uma vez o episódio faz referência ao segundo episódio original, especulando sobre formas de vida capazes de viver em outros astros. Tyson realiza então uma viagem fictícia ao Mar de Kraken, o maior corpo líquido na superfície de Titã, o maior satélite natural de Saturno. Por fim, o episódio retoma a célebre animação da evolução da vida em 40 segundos exibida na série original, ao som do célebre Concerto para Bandolim, de Antonio Vivaldi.

 

Para assistir esse episódio em português é possível assistir no blog Documentários Online.

 

 

 

 

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *